Atendimento (11) 9.4369-1112 contato@institutomae.com
Blog

Blog

Instituto Mãe: Quando uma criança deve ir para a escola?

25 de setembro de 2017 |
Instituto Mãe

Instituto Mãe: Quando uma criança deve ir para a escola? por Maria Drummond Gruppi, @pontoomega

 

 

Instituto Mãe: Assim que nasce o bebê esta é uma das perguntas mais frequentes que os pais se fazem, fazem aos avós, aos amigos próximos e ao pediatra: quando meu bebê deve ir para a escola ou para o berçário?

Os avós, provavelmente, viveram uma vida na qual a presença da mãe, primos e amigos era uma constante. As cidades eram bem mais seguras e a rua costumava ser um grande parque de diversões, isso sem contar a própria casa que, normalmente, tinha nos jardins e nos quintais lugares nos quais a criançada podia ser o que quisesse: desde monstros ameaçadores a policiais bonzinhos ou bandidos malvados.

Além disso, contavam com a cumplicidade da mãe e dos próprios amigos e com eles desenvolvia a prosódia, e se encantavam com palavra e a própria fala.

Por outo lado, os pediatras quando questionados se prendem às questões de saúde e, esse fato, faz com que eles não apoiem a iniciativa de se levar uma criança para um berçário logo após o término da licença maternidade.

No entanto, não podemos nos esquecer de que, 80% do cérebro de uma criança se desenvolvem na 1ª infância. Aos 3 anos de idade o cérebro da criança atinge 80% do tamanho do cérebro de um adulto, portanto, é na 1ª infância que se aprende quase tudo.

Uma vida onde não se possam compartilhar experiências e vivências com o Outro é uma vida empobrecida, que coloca em risco o desenvolvimento de estruturas como o córtex cerebral, responsável por funções complexas como a memória, a linguagem, a atenção, e o pensamento, e, mais tarde, essas crianças, certamente, estarão em desvantagens com relação àquelas que, desde cedo, desfrutaram da companhia do Outro, que estava verdadeiramente implicado com ele, e de um espaço de aprendizagem.

Isso porque o desenvolvimento da criança depende do Outro, e depende do entorno, porque o sujeito só se constitui na relação com o Outro e, para que haja uma interação, a criança precisa de alguém, de qualidade, que interaja com ela.

Este lugar que o Outro ocupa na vida da criança ele não é preenchido e representado somente pela mãe, mas por todos aqueles que se ocupam, verdadeiramente da criança.

A TV, o IPad, ou o tablete não funcionam porque com esses equipamentos não há trocas. Nos desenhos ou joguinhos pode até aparecer algo que sugere um diálogo, quando um fala e alguém espera na escuta, mas, quando a Peppa Pig faz uma pergunta, se dirigindo a quem a assiste, independente da resposta que a criança dê, ela não continua a conversa a partir dessa resposta. A criança pode até responder à Peppa Pig, mas depois ela fica no vácuo, uma vez que, do outro lado, falta,

justamente, o Outro que não vê a criança e que de fato não interage com ela.

Os eletrônicos conseguem apenas manter as crianças quietas, mas a humanização deve ser transmitida por semelhante.

Uma babá ocupada com um telefone celular, quando está com a criança ocupará, desta maneira, quase o mesmo papel da Peppa Pig no desenho – não há interlocução, não há envolvimento, não há o olhar.

Para além dessas questões tem ainda o prazer que a criança sente quando está na companhia de seus pares, quando brinca de “Faz de Conta”, quando se depara com as questões éticas, quando se unem em equipe para conseguir algo ou às vezes quando, em cabo de guerra, estão em lados opostos, quando descobrem o poder do código de linguagem e das letras ou quando se deparam coma a magia dos números… é o aprendendo enquanto brincam – o aprender brincando.

Nos dias de hoje a ida dos bebês para um Berçário, o quanto antes, vai favorecê-los sob muitos aspectos. Contribuirá sem sombra de dúvidas para o desenvolvimento de uma rede cerebral capaz de absorver conhecimentos dos mais simples aos mais complexos, favorecerá o desenvolvimento do sistema imunológico, tornando-a uma criança forte e contribuirá para que essa criança forte se torne uma criança crítica, autônoma e independente e, principalmente cidadã.

Categorias:
Filhos